Juan Carlos começou a preparar abdicação na primavera de 2013

Em entrevista ao jornalista Fernando Ónega, publicada em livro e avançada ontem pelo jornal 'ABC', Juan Carlos, de 76 anos, passa em revista os seus quase 40 anos de reinado

Na primavera de 2013, o então chefe da Casa Real, Rafael Spottorno, ficou surpreendido com a ordem que Juan Carlos lhe acabara de dar: "Vai estudando como se poderia organizar uma possível abdicação." Tinha passado um ano desde o chamado incidente do Botsuana: o então rei de Espanha fraturara a anca durante uma caçada de elefantes, quando era ele próprio presidente honorário da organização ambiental World Wild Fund de Espanha e uma licença para caçar elefantes naquele país custava entre sete e 30 mil euros. Teve de ser operado e após a cirurgia pediu desculpas aos espanhóis pelo que acontecera. Mas era tarde e sondagens publicadas pelos media nacionais acusavam uma certa fadiga em relação a Juan Carlos. Um ano depois, a 2 de junho de 2014, chegava a notícia da abdicação, a favor do filho - proclamado Felipe VI sete dias depois. Agora, numa entrevista concedida ao jornalista galego Fernando Ónega, Juan Carlos conta como tudo se processou e passa em revista as quase quatro décadas em que foi rei. O suplemento 'XL Semanal', do jornal 'ABC', publicou ontem excertos da entrevista, que consta do livro 'Juan Carlos I. El Hombre Que Pudo Reinar'.

LEIA MAIS NA EDIÇÃO IMPRESSA OU NO E-PAPER DO DN:

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?