Jornalista condenada a 2 anos de prisão

O tribunal do bairro Zavodskoi da capital bielorrussa condenou hoje a jornalista Irina Khalip a dois anos de prisão por organização de desordens após as eleições presidenciais na Bielorrússia.

Segundo o juiz, a jornalista foi condenada por "organização de ações em grupo que violam a ordem pública, ou participação activa nelas".

O cumprimento da pena de prisão foi adiada por dois anos, pois Irina Khalip tem um filho menor.

No dia 19 de Dezembro de 2010, após o encerramento das urnas, milhares de pessoas saíram para as ruas de Minsk para protestar contra a alegada falsificação dos resultados das eleições presidenciais, que deram novamente a vitória a Alexandre Lukachenko. A polícia prendeu mais de 600 pessoas.

No domingo, Andrei Sannikov, antigo candidato a Presidente da Bielorrússia e marido da jornalista, foi condenado a cinco anos de prisão pelo mesmo crime.

Outros três arguidos foram condenados a três anos e meio de prisão.

Mais quatro ex-candidatos ao cargo de Presidente da Bielorrússia continuam na prisão à espera de julgamento.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.