"Jesus foi o primeiro do mundo a fazer tweets"

Jesus Cristo foi o primeiro "a utilizar o twitter, antes deste sequer existir, ao utilizar frases com ideias essenciais e com menos de 45 caracteres [o máximo possível num tweet são 140 caracteres], como "Amai-vos uns aos outros", declarou hoje em Roma o responsável pela área da Cultura do Vaticano, o cardeal Gianfranco Ravasi, num encontro com os principais patrões dos media italianos.

O presidente do Conselho Pontifical para a Cultura discorria sobre as formas como a Igreja comunica ou deve comunicar no âmbito de uma iniciativa para o diálogo entre crentes e não crentes, O Pátio dos Gentios, criada por Bento XVI, sublinhando que Jesus recorreu a "fórmulas breves e plenas de sentido" para comunicar a sua mensagem.

O cardeal Ravasi evocou as parábolas de Jesus que, ao contrário "da televisão na atualidade na atualidade, transmitia uma mensagem através de uma história, de um símbolo". E esse exemplo não deve ser esquecido pelos clérigos: "se um pastor não se interessa pela comunicação, como deve comunicar, ele despreza o seu ministério", considerou o cardeal.

Por seu lado, os responsáveis dos principais títulos da imprensa italiana apresentaram a sua definição do que deve ser o trabalho e as referências dos jornalistas, com relevo para a objetividade, a responsabilidade e, como salientou Ferruccio de Bortoli, do 'Corriere della Sera', "o benefício laico da dúvida" e "ser honesto para com o leitor", disse, por sua vez, Enzo Mauro de 'La Repubblica'.

A expressão O Pátio dos Gentios remete para uma área existente junto à entrada do antigo templo de Jerusalém onde os não judeus tinham acesso. O templo em si estava vedado aos não crentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".