"Jeb tem um problema: eu", garante George W. Bush sobre campanha do irmão

Ex-presidente garante que o ex-governador da Florida daria "um ótimo presidente". Jeb tem tentado distanciar-se do pai e do irmão.

Para George W. Bush, a mais que provável candidatura do irmão Jeb à Casa Branca em 2016 tem "um problema: eu!" Quem o disse foi o próprio ex-presidente, numa rara intervenção pública durante uma conferência sobre tecnologias da informação na saúde no Texas.

"É fácil dizer "Não tivemos já Bushes suficientes?" Afinal até a minha mãe acha que sim", afirmou George W, num discurso reproduzido pelo site Politico. O ex-presidente, cujo irmão Jeb, ex-governador da Florida, é o favorito à nomeação republicana mesmo antes de se lançar oficialmente na corrida, garantiu ainda que "não me vão ver por aí, ele não precisa de mim para o defender, e é totalmente diferente de mim". E acrescentou: "O papel da família não é dar conselhos políticos - há muita gente para isso por aí -, é dizer "Hey man, adoro-te"."

Depois de nos últimos dias os senadores Ted Cruz, Rand Paul e Marco Rubio terem entrado na corrida à nomeação republicana para as presidenciais, todos esperam que Jeb avance. Aos 62 anos, o irmão mais novo de George W. não esconde o sonho de pôr um terceiro membro da família na Casa Branca (depois do pai e do irmão mais velho) - algo inédito na história dos EUA.

Retirado no seu rancho do Texas desde que deixou a presidência, em janeiro de 2009, George W. Bush recordou agora o apoio - ou a falta dele - que recebeu da família mais próxima quando decidiu avançar para a presidência em 2000. "Os presidentes precisam de pessoas à sua volta para lhes dizerem que querem ajudar. Imagine se em vez disso a Laura [a sua mulher] me tivesse dito: "No que raio nos foste meter?"" As próprias filhas, Jenna e Barbara, não se terão mostrado muito entusiasmadas com a candidatura do pai. "Disseram-me: "Não és tão bom como pensas; vais perder." E quando viram que isso não mudava a minha decisão, acrescentaram: "Vais arruinar as nossas vidas!""

LEIA MAIS NA EDIÇÃO IMPRESSA OU NO E-PAPER DO DN:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.