Investigação revela corrupção no Pentágono

Um departamento do Pentágono terá encomendado centenas de silenciadores a um mecânico automóvel, a quem pagou um preço muito inflacionado. A investigação deste caso veio revelar uma teia de corrupção dentro do Pentágono.

Os julgamentos vão começar este mês, mas há quase dois anos que se investiga o caso dos 349 silenciadores que foram encomendados por um pequeno escritório do Departamento da Defesa dos Estados Unidos, com sede no Pentágono.

Esta divisão do Departamento da Defesa tem menos de dez empregados, e deveria cumprir apenas funções de secretariado e ocupar-se de questões políticas. No entanto, a investigação acerca da encomenda destes silenciadores tem revelado muitos segredos.

Conforme reporta segunda-feira o Washington Post, os silenciadores encomendados eram especiais por não terem marcas que permitissem identificar de onde provinham. Estes acessórios foram encomendados a um mecânico automóvel da Califórnia, irmão do chefe da divisão que fez encomenda, a quem foram pagos 1,6 milhões de dólares (1,2 milhões de euros), muito embora os silenciadores, em mão-de-obra e materiais, só custassem perto de 10 mil dólares.

Muita da documentação acerca do caso permanece fechada por questões de segurança nacional. No entanto, o Washington Post avança que a principal questão a averiguar nestes julgamentos será se os silenciadores foram encomendados para uma missão secreta mas oficial, ou se teriam algum outro propósito clandestino.

Um dos dirigentes da divisão terá dito a uma testemunha, segundo os papéis entregues pela acusação e citados pelo Post, que os silenciadores eram para a SEAL Team 6, a equipa de intervenção que organizou a operação que matou Osama Bin Laden. Porém, os representantes da SEAL Team 6 dizem não os ter encomendado nem nunca os terem recebido.

Terão também sido destruídas provas que poderiam ser incriminadoras neste caso. O ano passado, agentes da Marinha incineraram documentos que vinham dos escritórios desta divisão no Pentágono, alegando que não teriam interesse para o caso, estando este já em aberto. Além disto, foi destruído um conjunto secreto de armas de fabrico estrangeiro, armazenadas nos Estados Unidos, a que alegadamente serviriam os silenciadores.

Uma fonte anónima explicou ao Post que armas de fabrico estrangeiro equipadas com estes silenciadores sem marcas poderiam ser usadas por forças especiais dos EUA ou por guerrilhas equipadas pelos EUA sem have risco que se soubesse de onde provinham.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.