Investigação revela corrupção no Pentágono

Um departamento do Pentágono terá encomendado centenas de silenciadores a um mecânico automóvel, a quem pagou um preço muito inflacionado. A investigação deste caso veio revelar uma teia de corrupção dentro do Pentágono.

Os julgamentos vão começar este mês, mas há quase dois anos que se investiga o caso dos 349 silenciadores que foram encomendados por um pequeno escritório do Departamento da Defesa dos Estados Unidos, com sede no Pentágono.

Esta divisão do Departamento da Defesa tem menos de dez empregados, e deveria cumprir apenas funções de secretariado e ocupar-se de questões políticas. No entanto, a investigação acerca da encomenda destes silenciadores tem revelado muitos segredos.

Conforme reporta segunda-feira o Washington Post, os silenciadores encomendados eram especiais por não terem marcas que permitissem identificar de onde provinham. Estes acessórios foram encomendados a um mecânico automóvel da Califórnia, irmão do chefe da divisão que fez encomenda, a quem foram pagos 1,6 milhões de dólares (1,2 milhões de euros), muito embora os silenciadores, em mão-de-obra e materiais, só custassem perto de 10 mil dólares.

Muita da documentação acerca do caso permanece fechada por questões de segurança nacional. No entanto, o Washington Post avança que a principal questão a averiguar nestes julgamentos será se os silenciadores foram encomendados para uma missão secreta mas oficial, ou se teriam algum outro propósito clandestino.

Um dos dirigentes da divisão terá dito a uma testemunha, segundo os papéis entregues pela acusação e citados pelo Post, que os silenciadores eram para a SEAL Team 6, a equipa de intervenção que organizou a operação que matou Osama Bin Laden. Porém, os representantes da SEAL Team 6 dizem não os ter encomendado nem nunca os terem recebido.

Terão também sido destruídas provas que poderiam ser incriminadoras neste caso. O ano passado, agentes da Marinha incineraram documentos que vinham dos escritórios desta divisão no Pentágono, alegando que não teriam interesse para o caso, estando este já em aberto. Além disto, foi destruído um conjunto secreto de armas de fabrico estrangeiro, armazenadas nos Estados Unidos, a que alegadamente serviriam os silenciadores.

Uma fonte anónima explicou ao Post que armas de fabrico estrangeiro equipadas com estes silenciadores sem marcas poderiam ser usadas por forças especiais dos EUA ou por guerrilhas equipadas pelos EUA sem have risco que se soubesse de onde provinham.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.