Honorífico sem género adicionado ao Dicionário de Inglês Oxford

Mais uma palavra adicionada à língua inglesa. O Dicionário de Oxford agora admite o título honorífico de género neutro Mx.

Longe vão os tempos em que, em inglês, se referia um cavalheiro por Mister (juntanto sempre o apelido!) e as senhoras por Miss (se fosse solteira) ou Misses, caso fosse casada. A estes últimos, considerados sexistas, juntou-se no final do século passado a palavra Ms. (lê-se "miz"), o equivalente feminino de Mr., que não tem em conta o estado civil da senhora.

Mas desde ontem existe no Dicionário de inglês de Oxford uma outra forma de tratar uma pessoa: Mx.

Pronunciado "mix", ou "mux", trata-se de um nome de género neutro, "usado antes do apelido ou nome completo daqueles e desejam evitar especificar o seu género ou para aqueles que preferem não se identificar como homem ou mulher", escreve o dicionário online.

A mesma obra também adicionou recentemente a palavra cisgender (cisgénero) que "designa alguém cujo sentido de identidade pessoal corresponde ao sexo e género com nasceu. Contrário de transgénero".

O inglês não é, no entanto, a primeira língua a acrescentar um honorífico de género neutro: no ínicio deste ano a Suécia adicionou o título hen ao seu dicionário.

As línguas faladas estão em constante mutação, quer para integrar novas realidades ou apenas para relfetir alterações de costumes ou mentalidades. E não só. A cultura popular também dá o seu contributo. Também ontem, o mesmo dicionário passou a incluir MacGyver como um verbo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...