Hollande inaugura "Anel da Memória" a todos os mortos da I Guerra Mundia

O presidente François Hollande inaugurou hoje um monumento no norte da França com o nome de cerca de 580 mil dos mais de dez milhões mortos no conflito.

O presidente francês inaugurou hoje à tarde um monumento designado "Anel da Memória" e formado por 500 placas de aço com o nome de 579 606 soldados, de todas as nacionalidades, tombados durante a I Guerra Mundial, entre 1914 e 1918.

Os nomes estão dispostos por ordem alfabética, sem distinção de nacionalidade ou patente.

Situado numa das extremidades do cemitério de Notre-Dame-de Lorette, no norte do país, junto à fronteira com a Bélgica, a inauguração do monumento, da autoria do Philippe Prost, constituiu o ponto alto das comemorações do primeiro centenário do conflito que, no total causou mais de dez milhões nas fileiras dos países beligerantes. Hoje, assinalava-se a data do armistício.

François Hollande evocou a necessidade de enfrentar "as ideologias do ódio" e os "separatismos exarcebados" para evitar a "engrenagem infernal do verão de 1914", que conduziu à guerra. Insistiu ainda que "não construiremos a França desfazendo a Europa", numa referência não explícita às propostas de Marine Le Pen, que defende o abandono da zona euro e uma União Europeia menos centralizada em Bruxelas.

Recuperando uma das ideias fortes da sua entrevista de quinta-feira passada, em direto na TF1 e na RTL, Hollande afirmou que "a França não se defende com linhas Maginot, com arame farpado, com fortalezas", mas com uma economia forte e os valores da República social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".