França encerra embaixada em São Tomé e Príncipe

O encerramento da embaixada deve-se a questões financeiras, no entanto, as relações políticas e de cooperação entre os dois países vão manter-se.

A França encerrou oficialmente hoje a sua embaixada em São Tomé e Príncipe, aberta nos anos 1980, devido a "questões financeiras", disse hoje à imprensa o chefe da missão francesa de cooperação e ação cultural, Patrik Cohen.

"A embaixada de França encerra as suas portas oficialmente em São Tomé e Príncipe, mas a França conserva as suas relações políticas e de cooperação" com o arquipélago, explicou Patrik Cohen, que falava à saída de um encontro com o chefe da diplomacia são-tomense, Manuel Salvador dos Ramos, a quem apresentou cumprimentos de despedida.

"A situação das finanças francesa é delicada e será a embaixada de França em Libreville que irá seguir as questões políticas em São Tomé e Príncipe", acrescentou o diplomata francês.

Durante mais de 30 anos a cooperação franco-são-tomense destacou-se sobretudo nas áreas da educação, particularmente na formação de quadros, cultura, agricultura, e financiou vários programas de redução da pobreza através da Agencia Francesa para o Desenvolvimento (AFD).

Patrik Cohen estava em São Tomé desde setembro de 2012.

Com o encerramento da missão diplomática francesa, o governo francês decidiu nomear para breve um cônsul honorário, ficando as questões culturais e do ensino de língua francesa a cargo da Aliance Française.

As instalações que albergaram durante mais de 30 anos a missão diplomática francesa na capital são-tomense foram entregues ao governo.

Segundo Patrik Cohen, a crise financeira obrigou a França a reduzir a sua presença em países com os quais o nível de cooperação não justifica manter o funcionamento de uma embaixada, estando São Tomé e Príncipe dentro deste grupo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.