"Fiquei cara a cara com o ébola. Fotografei doentes e mortos"

Kieran Kesner é um fotojornalista americano de 23 anos que esteve na Libéria em finais de agosto. Neste texto conta como é trabalhar quando se está tão perto do vírus.

Depois de quatro escalas, cheguei ao aeroporto na Libéria. O avião teve uma aterragem atribulada, derrapando até parar na pista em mau estado. Depois de sairmos do aparelho, fomos recebidos por um exército de pessoas que queria medir a nossa temperatura, enfiando-nos termómetros em forma de arma debaixo do nariz. Depressa percebi que aqueles termómetros bem podiam ser armas de verdade, apontadas às nossas cabeças. Depois de lavar as mãos com cloro, atravessei a cacofonia da fronteira onde o meu passaporte foi carimbado rapidamente.

Na semana seguinte, fiquei cara a cara com o ébola. Fotografei os doentes, os mortos e todas as fases do vírus. Percebi a gravidade desta epidemia que faz um país recuar depois de ter recuperado da destruição causada pela guerra civil de 1989-2003. Num táxi, o motorista grita pela janela: "Porque estão a queimar os corpos?", na direção de um menino que carrega à cabeça um cesto cheio de trapos e roupas. Perguntas como esta parecem ter-se tornado normais na Libéria. Até então eu olhara para a epidemia de ébola na África Ocidental como uma estatística de um mundo muito afastado. Nunca percebera, pessoalmente, o seu impacto.

Leia mais pormenores no epaper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...