"Fiquei cara a cara com o ébola. Fotografei doentes e mortos"

Kieran Kesner é um fotojornalista americano de 23 anos que esteve na Libéria em finais de agosto. Neste texto conta como é trabalhar quando se está tão perto do vírus.

Depois de quatro escalas, cheguei ao aeroporto na Libéria. O avião teve uma aterragem atribulada, derrapando até parar na pista em mau estado. Depois de sairmos do aparelho, fomos recebidos por um exército de pessoas que queria medir a nossa temperatura, enfiando-nos termómetros em forma de arma debaixo do nariz. Depressa percebi que aqueles termómetros bem podiam ser armas de verdade, apontadas às nossas cabeças. Depois de lavar as mãos com cloro, atravessei a cacofonia da fronteira onde o meu passaporte foi carimbado rapidamente.

Na semana seguinte, fiquei cara a cara com o ébola. Fotografei os doentes, os mortos e todas as fases do vírus. Percebi a gravidade desta epidemia que faz um país recuar depois de ter recuperado da destruição causada pela guerra civil de 1989-2003. Num táxi, o motorista grita pela janela: "Porque estão a queimar os corpos?", na direção de um menino que carrega à cabeça um cesto cheio de trapos e roupas. Perguntas como esta parecem ter-se tornado normais na Libéria. Até então eu olhara para a epidemia de ébola na África Ocidental como uma estatística de um mundo muito afastado. Nunca percebera, pessoalmente, o seu impacto.

Leia mais pormenores no epaper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.