Falso xeque na mira da justiça leva terror a café de Sydney

Iraniano Man Haron Monis morreu num tiroteio com a polícia em que também perderam a vida dois dos seus 17 reféns

O homem responsável pelo sequestro de 17 pessoas num café em Sydney, que acabou depois de mais de 16 horas com a morte de dois reféns e do próprio atirador, não era desconhecido das autoridades (nem dos jornalistas) na Austrália.

Man Haron Monis, iraniano de 49 anos, autodenominava-se xeque e clérigo, dizendo ser praticante de magia negra. Estava em liberdade condicional por enviar cartas ofensivas a familiares de soldados australianos mortos no Afeganistão e por, alegadamente, ter ordenado o homicídio da ex-mulher. Em fevereiro iria responder por mais de 40 acusações de abuso sexual.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".