Falha de segurança dos EUA: o antraz afinal estava vivo

Bactéria foi levada do Utah para nove estados e para uma base americana na Coreia do Sul. 26 pessoas recebem tratamento preventivo.

Quando se fala em antraz é quase impossível não pensar no pós-11 de Setembro e naquelas cartas cheias de pó branco enviadas para edifícios governamentais e media americanos e que causaram a morte a cinco pessoas. Agora, a bactéria volta a causar alarme depois de o Departamento de Defesa americano admitir ter enviado, por engano e através da empresa de transporte rápido FedEx, amostras da bactéria viva do antraz para nove estados americanos e uma base dos EUA na Coreia do Sul.

O Pentágono garantiu que até agora não tem notícias de que as amostras tenham infetado alguém. Mas quatro civis americanos que estiveram em contacto com a bactéria estão a receber um tratamento preventivo que inclui vacinas, antibióticos ou ambos. Na Coreia do Sul, 22 funcionários da base também estão a ser sujeitos a medidas profiláticas. Mas para quem receie uma crise sanitária mundial, os especialistas já vieram explicar que "é pouco provável". Segundo Sankar Swaminathan, especialista em doenças infeciosas da Universidade do Utah, "o antraz só é causado por contacto direto com a bactéria; não é contagioso e não se propaga de pessoas para pessoa como uma gripe", escreveu no site da universidade.

Doença infeciosa provocada pela bactéria Bacillus anthracis, o antraz pode manifestar-se de diferentes maneiras: quando inaladas as bactérias podem provocar pneumonia, degradando rapidamente o estado de saúde do paciente. Foi o que aconteceu em 2001, depois dos atentados de 11 de setembro que fizeram quase 3000 mortos na América. Existe ainda o antraz cutâneo, que causa grandes manchas negras na pele, e o antraz gastrointestinal, devido à ingestão de carne contaminada e mal cozinhada.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.