EUA vão deportar ex-ministro de El Salvador acusado de violar direitos humanos

Carlos Eugenio Vides Casanova, antigo ministro da Defesa de El Salvador, vai ser deportado dos EUA por crimes de tortura e mortes durante a guerra civil no país.

Os Estados Unidos ordenaram hoje a deportação de um antigo ministro da Defesa de El Salvador, Carlos Eugenio Vides Casanova, por violações dos Direitos Humanos durante a guerra civil no país, em 1980.

Casanova, que foi ministro da Defesa e diretor da Guarda Nacional de El Salvador, na década de 1980, é acusado de uma série de violações dos direitos humanos durante a guerra civil naquele país da América Central, entre as quais a orientação de tortura e mortes de centenas de civis, segundo a NBC News.

O Departamento de Justiça dos EUA recusou o apelo do ex-primeiro ministro para não ser deportado, após a ordem do juiz, visto ter-se provado que Casanova estava consciente das violações dos Direitos Humanos durante a guerra, sem ter tentado impedi-las.

Quatro freiras norte-americanas foram raptadas, violadas e mortas no período no qual Casanova foi Diretor da Guarda Nacional, em 1980.

Casanova entrou nos EUA, em agosto de 1989, com um visto de imigração.

Apesar de não ser comum, a deportação do ex-ministro da defesa de El Salvador está dentro dos parâmetros do Ato de 2004, Reforma Inteligente e Prevenção Terrorista, que impede quem tenha cometido formas de violações dos direitos humanos de entrar e permanecer nos EUA.

Almudena Bernabeu, advogada internacional do Centro de Justiça e Responsabilidade, afirma "Esperamos que, ao voltar para El Salvador, ele seja alvo de acusações".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."