Estado Islâmico leva chefe do Pentágono à demissão

Divergências sobre estratégia para enfrentar jihadistas na Síria e Iraque na origem da saída do secretário da Defesa. Chuck Hagel pode ser substituído por uma mulher.

Divergências sobre a estratégia a seguir no combate ao Estado Islâmico (EI) e a incapacidade do secretário da Defesa Chuck Hagel em fazer vingar as suas opiniões junto de Barack Obama, levaram o responsável pelo Pentágono a apresentar ontem a sua demissão.

O exemplo mais recente terá sido uma carta enviada por Hagel, de 68 anos, à conselheira de Segurança Nacional, Susan Rice, em que implicitamente criticava a posição do presidente na guerra civil síria e o modo como a administração via o futuro do regime de Bachar al-Assad. Rumores sobre a sua saída começaram a circular quando foi anunciado, no início do mês, o adiamento de uma visita ao Vietname, que estava marcada desde há muito. De origens humildes, Hagel combateu no Vietname nos anos 60, tendo sido ferido duas vezes. Em ambas as ocasiões, foi condecorado por bravura.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.