Engenheira civil é a primeira mulher presidente da câmara de Bagdad

Iraque. A capital do país, com 1252 anos de história, é a pior cidade no ranking da qualidade de vida da consultora Mercer. Thikra Alwash espera mudar isso e ao mesmo tempo dar uma nova voz às mulheres na política

Num país onde há apenas duas ministras, num governo com 29 pastas, e 83 deputadas - sendo que só 22 tiveram os votos para ser eleitas (as outras chegaram ao Parlamento por causa do sistema de quotas que obriga que 25% dos lugares seja entregue ao sexo feminino) - a nomeação de uma mulher para a presidência da câmara de Bagdad é um passo positivo num mundo dominado pelos homens. Thikra Alwash, doutorada em engenharia civil, é a primeira mulher à frente da câmara da capital iraquiana em 1252 anos de história.

A até agora diretora do departamento de projetos no Ministério do Ensino Superior foi a escolhida pelo primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi (no poder desde setembro), para substituir o polémico autarca Naeem Aboub. Nascida em Hilla, cem quilómetros a sul de Bagdad, Thikra Alwash não tem qualquer vinculação partidária, segundo as informações dos media internacionais, e é vista como uma competente tecnocrata. O cargo que ocupa é apenas interino, já que o parlamento tem que aprovar a sua nomeação para o tornar oficial. Contudo, o anterior presidente da câmara nunca teve essa aprovação e foi sempre "interino".

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.