Engenheira civil é a primeira mulher presidente da câmara de Bagdad

Iraque. A capital do país, com 1252 anos de história, é a pior cidade no ranking da qualidade de vida da consultora Mercer. Thikra Alwash espera mudar isso e ao mesmo tempo dar uma nova voz às mulheres na política

Num país onde há apenas duas ministras, num governo com 29 pastas, e 83 deputadas - sendo que só 22 tiveram os votos para ser eleitas (as outras chegaram ao Parlamento por causa do sistema de quotas que obriga que 25% dos lugares seja entregue ao sexo feminino) - a nomeação de uma mulher para a presidência da câmara de Bagdad é um passo positivo num mundo dominado pelos homens. Thikra Alwash, doutorada em engenharia civil, é a primeira mulher à frente da câmara da capital iraquiana em 1252 anos de história.

A até agora diretora do departamento de projetos no Ministério do Ensino Superior foi a escolhida pelo primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi (no poder desde setembro), para substituir o polémico autarca Naeem Aboub. Nascida em Hilla, cem quilómetros a sul de Bagdad, Thikra Alwash não tem qualquer vinculação partidária, segundo as informações dos media internacionais, e é vista como uma competente tecnocrata. O cargo que ocupa é apenas interino, já que o parlamento tem que aprovar a sua nomeação para o tornar oficial. Contudo, o anterior presidente da câmara nunca teve essa aprovação e foi sempre "interino".

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.