Encontrado nas Ilhas Marshall após 16 meses à deriva

Homem identificou como José Iván e contou que saiu do México rumo a El Salvador em Setembro de 2012, acompanhado por um outro homem, que terá morrido no mar há vários meses.

Um náufrago foi resgatado nas Ilhas Marshall, na quinta-feira, a mais de 12.500 quilómetros do México, de onde garante ter saído há 16 meses.

O náufrago - que se identificou como José Iván - contou que saiu do México rumo a El Salvador em Setembro de 2012, acompanhado por um outro homem, que terá morrido no mar há vários meses. Ele sobreviveu comendo tartarugas, pássaros e peixe, além de beber sangue de tartaruga quando não chovia.

De barba por fazer e de cabelo comprido, magro e abatido, o homem foi avistado pelos habitantes, numa embarcação de sete metros de comprimento, com motores sem hélices. "O seu estado não é bom, mas está a melhorar", disse por telefone Ola Fjestad, estudante norueguês de antropologia que está no atol de Ebon a fazer trabalho de investigação.

Este resgate não é caso único. A 9 de Agosto de 2005, três mexicanos saíram para pescar de um porto da costa mexicana no Pacífico e resgatados nove meses também em frente às Ilhas Marshall. Em 1992, outros dois pescadores de Kiribati sobreviveram 177 dias no mar antes de chegarem a Samoa.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.