Encontrado nas Ilhas Marshall após 16 meses à deriva

Homem identificou como José Iván e contou que saiu do México rumo a El Salvador em Setembro de 2012, acompanhado por um outro homem, que terá morrido no mar há vários meses.

Um náufrago foi resgatado nas Ilhas Marshall, na quinta-feira, a mais de 12.500 quilómetros do México, de onde garante ter saído há 16 meses.

O náufrago - que se identificou como José Iván - contou que saiu do México rumo a El Salvador em Setembro de 2012, acompanhado por um outro homem, que terá morrido no mar há vários meses. Ele sobreviveu comendo tartarugas, pássaros e peixe, além de beber sangue de tartaruga quando não chovia.

De barba por fazer e de cabelo comprido, magro e abatido, o homem foi avistado pelos habitantes, numa embarcação de sete metros de comprimento, com motores sem hélices. "O seu estado não é bom, mas está a melhorar", disse por telefone Ola Fjestad, estudante norueguês de antropologia que está no atol de Ebon a fazer trabalho de investigação.

Este resgate não é caso único. A 9 de Agosto de 2005, três mexicanos saíram para pescar de um porto da costa mexicana no Pacífico e resgatados nove meses também em frente às Ilhas Marshall. Em 1992, outros dois pescadores de Kiribati sobreviveram 177 dias no mar antes de chegarem a Samoa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.