Empresa russa revela programas de espionagem e supervírus quase invencível

Segundo a Kaspersky, o grupo de 'hackers' está ativo desde 1996, mas foi a partir de 2008 que começou a desenvolver ferramentas muito avançadas.

A empresa russa Kaspersky Lab, especializada em segurança informática, revela num relatório apresentado esta segunda-feira ter descoberto um conjunto de sofisticadas ferramentas informáticas que nos últimos anos foram utilizadas para infetar e controlar computadores em todo o mundo.

Segundo a Kaspersky, há poucas dúvidas que estas ferramentas foram desenvolvidas pelo Equation Group. Num dos casos, depois de o disco rígido estar infetado com este "supervírus", nem a formatação e a instalação de um novo sistema operativo resolvem o problema.

A empresa russa não se alonga sobre quem está por detrás deste grupo, mas a lista de países onde a empresa diz ter encontrado estes vírus - em computadores de países como a Rússia, Irão, Paquistão, China - parece implicar os EUA. Outros especialistas estão a relacionar o tipo de ferramentas utilizadas com outros vírus como o Stuxnet, que se acredita ter sido desenvolvido pelos EUA e por Israel, diz o Financial Times.

Segundo a Kaspersky, o grupo está ativo desde 1996, mas foi a partir de 2008 que começou a desenvolver ferramentas muito avançadas, que permitiram não só infetar computadores e roubar informação, mas também permanecer secretas.

A descoberta destes supervírus foi anunciada um dia depois de a empresa ter revelado que um grupo de criminosos informáticos roubou cerca de mil milhões de dólares (876 milhões de euros) de até 100 bancos e instituições financeiras mundiais nos últimos dois anos, usando software malicioso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.