Eleições na Grécia a 20 de setembro. Syriza à frente por pouco

Novo ministro das Finanças liderou equipa de negociações com os credores que deu origem ao terceiro resgate

O Syriza deverá ser o partido mais votado nas eleições antecipadas de 20 de setembro, a data foi anunciada ontem pela presidência, mas atualmente a sua vantagem em relação à Nova Democracia ronda apenas os 2 pontos percentuais.

Segundo dados da ProRata divulgados ontem pelo jornal pelo Efimerida Ton Syntakton, 23% dos gregos vão apoiar o Syriza nas próximas eleições, enquanto a Nova Democracia recolhe 19,5% das intenções de voto. Em julho, uma outra sondagem da ProRata dava 26% ao partido de Tsipras - que continua a ser o político mais popular do país, com 41% de apoio - e apenas 15% aos conservadores liderados por Vangelis Meimarakis, que é o político favorito de 34% dos eleitores. A União Popular, formada por dissidentes do Syriza, recolhe 3,5%, acima do mínimo dos 3% que dão entrada no Parlamento. Já o ANEL, que fazia parte da coligação governamental, tem apoio de 2% dos eleitores. Porém está tudo ainda em aberto pois o número de indecisos é de 25,5%.

Outra sondagem também conhecida ontem, levada a cabo pela Metron Analysis para o jornal Parapolitika, dá 29% das intenções de voto ao Syriza e 27,8% à Nova Democracia. Aqui, a União Popular tem 4,1% da preferência dos gregos e o ANEL 2,3%. Numa terceira sondagem, feita pela MRB para o jornal Agora, o cenário é semelhante: uma diferença de cerca de dois pontos entre os maiores partidos - Syriza 24,6%, Nova Democracia 22,8% - a União Popular surge com 4,2% e o ANEL fica fora do hemiciclo.

Comum a estas sondagens é também a entrada no parlamento da União Centrista, partido fundado e liderado por Vassilis Leventis, que chegou a ser candidato por PASOK e Nova Democracia.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Ler mais

Exclusivos