El Salvador regista quase 4000 homicídios desde o início do ano

Só no passado domingo, a polícia reportou a ocorrência de 43 crimes do tipo - o maior número de homicídios em 24 horas desde o início do ano.

El Salvador registou, desde o início do ano, de 3992 assassínios, podendo ultrapassar a barreira dos 4000 até ao final de agosto, cenário que, se verificado, fará de 2015 o ano mais violento do século XXI no país centro-americano.

Os dados, facultados pelo Instituto de Medicina Legal de El Salvador à agência Efe, indicam que El Salvador pode vir a superar em 2015 a marca de 4382 assassínios, registada em 2009, quando o país foi considerado "o mais violento do mundo".

A manter-se o atual ritmo, o patamar dos 6.000 pode ser superado no final de 2015, elevando a taxa de homicídios para mais de 96 por cada 100.000 habitantes, um número sem paralelo no século XXI.

Só no passado domingo, a polícia reportou a ocorrência de 43 crimes do tipo - o maior número de homicídios em 24 horas desde o início do ano. Contudo, o Instituto de Medicina Legal sinalizou, no mesmo dia, 52 mortes violentas.

O Departamento de Estatísticas salvadorenho afirmou recentemente que a disparidade entre os números radica no tempo que decorre entre o homicídio e o exame forense.

Em comparação com os primeiros oito meses de 2014, verificou-se um aumento de 57,35%, ou seja, de mais 1455 assassínios.

A última vez que a nação centro-americana teve um número de assassínios superior a 4000 foi em 2011, ano anterior a uma trégua entre gangues que viria a reduzir o número médio de mortes diárias de 12 para cinco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.