"Dilma só não terminará o mandato se não quiser"

Entrevista ao presidente da Câmara dos Deputados do Brasil, Eduardo Cunha (PMDB), que diz não acreditar na destituição de Dilma. E garantiu que o seu partido não irá apoiar Lula da Silva em 2018.

Sete meses após as presidenciais, Dilma Rousseff enfrenta contestação social. Acha que a presidente chega ao fim do mandato?

A Dilma só não terminará o mandato se não quiser. A contestação não é social, é política. As eleições foram as mais acirradas dos últimos anos. Nas outras, o Partido dos Trabalhadores [PT] teve uma hegemonia e nestas uma vitória apertada. Dilma fez promessas de campanha, do que faria ou não, e quando começou o segundo mandato fez o contrário, principalmente na área da economia. E isso causou revolta. Em primeiro lugar, dos que não votaram nela e quiseram incitar o processo de contestação. Em segundo, dos que votaram nela e se arrependeram porque não teriam votado se ela tivesse dito o que ia fazer. Isso levou as pessoas às ruas e à queda da popularidade de Dilma. Mas acho que tem que se dar um tempo para que ela possa implementar a sua nova política.

Não está então em causa um possível impeachment [destituição]?

No nosso ordenamento jurídico há razões práticas para o impeachment, que não existem no caso de Dilma. Não podemos tratar o impeachment como um recurso eleitoral para os que não estão contentes com o resultado da eleição ou se arrependeram dele. No caso de Dilma, não podemos responsabilizá-la por atos que não praticou. Não há neste mandato, aliás nem no anterior, qualquer ato que possa levar a um impeachment. E na prática todos falam, mas não me chegou às mãos nenhum pedido.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.