Descoberta sinagoga onde Jesus terá pregado

A sinagoga, situada a oeste do Lago de Galileia, terá sido destruída em 67 depois de Cristo. Segundo os arqueólogos é uma das sete mais antigas até hoje encontradas em Israel.

Os restos da sinagoga foram descobertos em 2013, mas só agora foram revelados após uma necessária intervenção arqueológica no local de Magdala, onde está situada.

A sua localização corresponde a uma parte da Galileia onde Jesus viveu boa parte da sua vida, indica o site de noticiário religioso Aleteia.

Segundo os arqueólogos, a sinagoga de Magdala passa a integrar o grupo das mais antigas até hoje identificadas em Israel. Nas suas pedras encontra-se gravada a imagem mais antiga até agora encontrado de um menorá, o candelabro hebraico de sete braços, um dos principais símbolos da religião judaica.

A sua destruição terá ocorrido em 67 ou 68 depois de Cristo por soldados romanos.

A sinagoga situa-se nuns terrenos adquiridos pelos Legionários de Cristo para aí construírem um centro e foi durante esses trabalhos que o remanescente do edifício foi descoberto.

"80% da pública de Jesus decorreu nesta região", explica o padre Eamon Kelly, responsável pelo centro, que corresponde à antiga cidade de Magdala, não muito distante de Cafarnaum, a vila piscatória onde Jesus conheceu Pedro. "E se um rabi interviesse publicamente, fá-lo-ia certamente aqui", afirma o padre Kelly, "pois era a única cidade existente na época a oeste do Lago de Galileia".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.