Decreto com 400 anos que permitia matar bascos foi agora revogado na Islândia

A decisão de revogar o decreto foi apenas simbólica porque hoje em dia na Islândia é proibido "matar qualquer pessoa - bascos incluídos", brincou o comissário da província.

Quatro séculos depois da sua emissão, um decreto islandês que permitia matar pessoas bascas com impunidade foi formalmente revogado pela província de Westfjords. Em 1615 esta província da Islândia emitiu o decreto que permitia que qualquer islandês matasse um basco que encontrasse na província sem consequências.

"A decisão de revogar o decreto foi mais simbólica do que outra coisa qualquer", disse o comissário da província, Jonas Gudmundsson, que admitiu que, hoje em dia, é proibido "matar qualquer pessoa - bascos incluídos", citado pelo jornal The Guardian.

A história remonta ao ano de 1615, quando três navios baleeiros oriundos do País Basco naufragaram. Os oitenta sobreviventes chegaram à costa da província de Westfjords, na Islândia, e não tinham nada que comer nem meio de transporte, pelo que se dizia que assaltavam os locais. O governante da altura emitiu então o decreto que permitia aos islandeses matar qualquer basco que encontrassem sem consequências.

Mais de 30 bascos foram mortos na sequência do decreto, em campanhas organizadas pelos aldeãos locais. "É um dos capítulos mais negros da nossa história, disse Gudmundsson, acrescentando que se trata de um dos massacres mais sangrentos da Islândia.

Na semana passada, no 400.º aniversário do decreto, foi organizada uma cerimónia na qual esteve presente o governador da província de Gipuzkoa no País Basco espanhol, Martín Garitano, assim como alguns turistas bascos que "ficaram muito felizes", segundo Gudmundsson. O decreto foi formalmente revogado e o comissário da província de Westfjords inaugurou um memorial dedicado aos marinheiros bascos que morreram em 1615.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.