Da China aos extraterrestres: as várias teses sobre o MH370

As buscas prosseguem para encontrar o avião da Malaysia Airlines que desapareceu há um ano. As teorias sucedem-se e a mais recente coloca-o no mar de Andamão

Sequestrado por extraterrestres ou pela China, desviado às ordens de Vladimir Putin, abatido durante exercícios militares. Estas são algumas das teorias que procuram explicar o destino do Boeing 777 da Malaysia Airlines. O voo MH370, com 239 pessoas a bordo, desapareceu a 8 de março de 2014, quando fazia a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim, e todas as buscas realizadas no Sul do oceano Índico para o encontrar foram em vão.

A ausência de respostas para a tragédia, que vitimou cidadãos de 14 países, adensou o mistério e alimentou a imaginação que produziu uma série de teorias e até mesmo livros. Jeff Wise, em O Avião Que não Estava lá - Porque não Descobrimos o Voo 370 da Malaysia Airlines, defende que o presidente russo Vladimir Putin ordenou o desvio do boeing para a base aérea de Baikonur, no Cazaquistão.

O jornalista e comentador da CNN justifica a decisão de Putin como forma de se vingar das sanções que os EUA tinham decretado contra o Kremlin por causa da Ucrânia. Wise, que classifica o MH370 como a "infeliz vítima da retaliação russa", avança que as equipas de busca não encontraram nada no fundo do oceano Índico, onde peritos pensam que o avião se encontra, porque a aeronave, ao ser desviada, "voou para norte", para a base que a Rússia tem no Cazaquistão. E porque a Rússia e o Cazaquistão sabiam da sorte do avião, não responderam ao pedido da Malásia para verificar o passado dos seus cidadãos que iam a bordo, justifica Wise.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Ler mais

Exclusivos