Comissário alemão: Atenas arrisca estado de emergência

Juncker desapontado com negociações. Varoufakis quer começar do zero. Tsipras pede realismo. Eurogrupo de quinta-feira fulcral. Prazo para acordo acaba no final deste mês.

A duas semanas de terminar a extensão do resgate à Grécia, o fosso entre o governo do Syriza e os credores é maior e em Bruxelas há quem vá já alertando para um possível "estado de emergência" no caso de falhanço nas negociações. A Comissão Europeia demarca-se das declarações de um dos seus comissários, o alemão, o ministro das Finanças grego quer renegociar o programa "a partir do zero", o seu primeiro-ministro acusa os credores de pilharem a Grécia através dos memorandos dos últimos cinco anos e o presidente da Comissão diz-se "desapontado" com andamento das negociações.

Ontem Jean-Claude Juncker colocou os seus porta-vozes a clarificar detalhes do que tem sido exigido a Atenas, garantindo que os credores nunca pediram cortes de salários ou de pensões. "As medidas são sobre a eliminação progressiva da reforma antecipada, aumento da idade de aposentação, eliminação de incentivos incorretos para as reformas antecipadas. São também sobre a forma de tornar o sistema de pensões grego financeiramente sustentável a longo prazo e eficiente, por exemplo juntando todos os modelos que estão disponíveis", esclareceu a porta-voz do presidente da Comissão.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?