Cimeira da última oportunidade já começou em Minsk

Os líderes da Ucrânia, Rússia, França e Alemanha estão reunidos na Bielrorrússia para tentar alcançar um acordo de paz no leste da Ucrânia.

A que está a ser considerada como a "cimeira da última oportunidade" para alcançar um acordo de paz na Ucrânia começou hoje em Minsk, capital da Bielorrússia, reunindo os líderes da Ucrânia, Rússia, França e Alemanha.

Os presidentes francês, François Hollande; russo, Vladimir Putin; ucraniano, Petro Poroshenko; e a chanceler alemã Angela Merkel estão reunidos num "encontro restrito" inicial, antes de as negociações de paz serem alargadas aos técnicos e conselheiros das partes, indicaram fontes da delegação francesa citadas pela agência France Presse.

O encontro na Bielorrússia, decidido após uma semana de intensas consultas diplomáticas lançadas pela dupla franco-alemã, tem como objetivo a adoção de um plano de paz para pôr fim ao banho de sangue.

Cerca de 50 pessoas, civis e soldados, foram mortas entre terça-feira e hoje no leste do território ucraniano - um dos mais pesados balanços desde o início do conflito às portas da Europa, que em 10 meses já fez mais de 5.300 mortos.

Pouco antes daquele que é considerado o encontro diplomático mais importante desde o início da crise ucraniana, os participantes fizeram subir a pressão através das declarações proferidas, enquanto no terreno, soldados ucranianos e rebeldes intensificavam os combates para se apresentarem numa posição de superioridade à mesa das negociações.

Numa entrevista à agência de notícias francesa, AFP, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, classificou a cimeira de Minsk como "uma viragem, para o melhor ou para o pior", referindo-se a "perspetivas preocupantes" se o resultado da reunião for negativo.

Antes de voar para Minsk, o Presidente ucraniano mostrou-se irredutível, declarando-se disposto a decretar a lei marcial em toda a Ucrânia em caso de fracasso da cimeira.

Poroshenko advertiu ainda o Kremlin de que ele, Merkel e Hollande falarão "a uma só voz".

Segundo a presidência francesa, Hollande e a chanceler alemã tencionam "tentar tudo" para encontrar uma solução diplomática para uma crise que originou o pior período de confrontação entre a Rússia e o Ocidente desde o fim da União Soviética, em 1991.

Em Washington, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez aumentar a tensão ao telefonar, na terça-feira à noite, a Putin para lhe dizer que se continuar a sua estratégia "agressiva" na Ucrânia, a Rússia verá aumentar "o preço a pagar".

Segundo uma fonte da Presidência francesa, as negociações preparatórias da cimeira, que decorrem desde terça-feira, estão a ser "difíceis". Os negociadores chegaram a acordo sobre "um documento", mas "ainda há muitos problemas por solucionar".

Em Moscovo, o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, deu conta de "progressos notáveis", embora acusando os ucranianos de quererem colocar demasiado acima na lista das prioridades da cimeira a questão do controlo da fronteira entre a Rússia e a Ucrânia, junto às zonas separatistas.

Após as reuniões de Minsk, o chefe de Estado ucraniano deverá dar conta das negociações numa cimeira europeia em Bruxelas.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.