Cidade australiana unida para salvar sobreiro português

Os moradores de Norwood, subúrbio de Adelaide, no sul da Austrália, estão revoltados com planos para cortar um sobreiro português centenário, para a construção de um parque de estacionamento subterrâneo na localidade, noticiou hoje o jornal 'The Australian'.

De acordo com o jornal, as autoridades locais estão a analisar o pedido feito pela empresa construtora Coles, mas o presidente do grupo de moradores da localidade, Jim Dunk, referiu que o sobreiro representa uma parte importante do património da região.

Os moradores e apoiantes da causa disseram que vão pedir a intervenção do governo do estado da Austrália do Sul para impedir que a árvore seja derrubada.

Os habitantes consideram o corte da árvore "um vandalismo" e a "perda para as gerações futuras" de uma parte significativa do património botânico da localidade.

A National Trust of Austrália - organização que defende a preservação do património indígena, natural e histórico do país, diz que, segundo os seus registos, a árvore foi plantada pelo conselho municipal de Kensigton e Norwood, mas outros reivindicam o plantio do sobreiro.

De acordo com Clyde Buttery, de 76 anos, citado pelo 'The Australian', o seu bisavô Henry Buttery trouxe a árvore de Portugal quando viajou de Inglaterra para o sul da Austrália em 1870.

"A minha bisavó estava grávida na época e, aparentemente, o meu bisavô deu mais atenção à árvore do que a ela", disse Buttery.

A árvore "faz parte da história de Norwood e é parte da história da minha família", disse o australiano.

Henry Buttery terá plantado a árvore no quintal da sua casa em Norwood, quando comprou o imóvel. A família é conhecida no ramo do fabrico de móveis.

Segundo Jim Dunk, sobreiros foram também plantados em outras partes da Austrália, como em Tenterfield, em Nova Gales do Sul, e em Caufield, em Vitória, tendo sido conservados e já fazendo parte do património desses estados australianos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.