Canadiano de origem japonesa sem infeção

Os primeiros exames a um canadiano de origem japonesa que desembarcou esta segunda-feira em estado febril no aeroporto de Tóquio-Haneda não revelaram infeção do vírus Ébola, segundo as autoridades japonesas.

O canadiano de origem nipónica, um jornalista de 45 anos, viajou para a capital japonesa depois de ter estado na Libéria entre agosto e outubro.

Segundo as autoridades japonesas, o homem, que apresentava febre moderada (37,8 graus), chegou a Tóquio com escalas na Grã-Bretanha e na Bélgica.

Face à suspeita de estar infetado com Ébola, o homem foi isolado numa sala de doenças infeciosas de uma unidade hospitalar de Tóquio, para ser submetido aos primeiros exames.

A epidemia de Ébola já tirou a vida a mais 4.900 pessoas em África, principalmente na Guiné Conacri e na Serra Leoa.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 10.000 pessoas em África foram infetados pelo vírus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.