Canadiano de origem japonesa sem infeção

Os primeiros exames a um canadiano de origem japonesa que desembarcou esta segunda-feira em estado febril no aeroporto de Tóquio-Haneda não revelaram infeção do vírus Ébola, segundo as autoridades japonesas.

O canadiano de origem nipónica, um jornalista de 45 anos, viajou para a capital japonesa depois de ter estado na Libéria entre agosto e outubro.

Segundo as autoridades japonesas, o homem, que apresentava febre moderada (37,8 graus), chegou a Tóquio com escalas na Grã-Bretanha e na Bélgica.

Face à suspeita de estar infetado com Ébola, o homem foi isolado numa sala de doenças infeciosas de uma unidade hospitalar de Tóquio, para ser submetido aos primeiros exames.

A epidemia de Ébola já tirou a vida a mais 4.900 pessoas em África, principalmente na Guiné Conacri e na Serra Leoa.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 10.000 pessoas em África foram infetados pelo vírus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".