Campanha pretende acabar com gatos domésticos

(COM VÍDEO) Gareth Morgan, um economista e homem de negócios bem-sucedido, quer que os proprietários de gatos não os substituam quando os animais morrerem: "Esta pequena bola de pêlo que têm é um assassino nato", garante o neozelandês.

O economista lançou uma campanha no sentido de os donos esterilizarem os gatos, não os deixando procriar, com o argumento de que assim acabará, a prazo, com estes animais no país. A ideia, diz, é proteger a fauna da Nova Zelândia, especialmente os pássaros. Segundo Morgan, espécies neozelandesas estão a ser destruídas por gatos domésticos, uma teoria seguida por alguns ambientalistas. Com esta campanha polémica, Gareth já ganhou a inimizade dos amantes de gatos como podemos observar no vídeo que se segue:

Esta teoria uniu alguns ambientalistas e cientistas reconhecidos, como Y. VanHeezik, professor de Zoologia na Universidade de Otago, que declarou: "Acredito que precisamos de criar consciência acerca dos impactos dos gatos domésticos", disse, citado pelo jornal espanhol ABC.

O problema, para ele, é que os felinos "tendem a tornar-se ferozes e a atacar a fauna nativa". Apesar de os proprietários acreditarem que nada irá acontecer, por os gatos caçarem "um pássaro ou dois por dia", o professor defende que, segundo a investigação, com uma eficaz campanha de esterilização "a caça seria reduzida a 50%".

O mesmo lembra que alguns países vizinhos já tomaram estas medidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.