Campanha pretende acabar com gatos domésticos

(COM VÍDEO) Gareth Morgan, um economista e homem de negócios bem-sucedido, quer que os proprietários de gatos não os substituam quando os animais morrerem: "Esta pequena bola de pêlo que têm é um assassino nato", garante o neozelandês.

O economista lançou uma campanha no sentido de os donos esterilizarem os gatos, não os deixando procriar, com o argumento de que assim acabará, a prazo, com estes animais no país. A ideia, diz, é proteger a fauna da Nova Zelândia, especialmente os pássaros. Segundo Morgan, espécies neozelandesas estão a ser destruídas por gatos domésticos, uma teoria seguida por alguns ambientalistas. Com esta campanha polémica, Gareth já ganhou a inimizade dos amantes de gatos como podemos observar no vídeo que se segue:

Esta teoria uniu alguns ambientalistas e cientistas reconhecidos, como Y. VanHeezik, professor de Zoologia na Universidade de Otago, que declarou: "Acredito que precisamos de criar consciência acerca dos impactos dos gatos domésticos", disse, citado pelo jornal espanhol ABC.

O problema, para ele, é que os felinos "tendem a tornar-se ferozes e a atacar a fauna nativa". Apesar de os proprietários acreditarem que nada irá acontecer, por os gatos caçarem "um pássaro ou dois por dia", o professor defende que, segundo a investigação, com uma eficaz campanha de esterilização "a caça seria reduzida a 50%".

O mesmo lembra que alguns países vizinhos já tomaram estas medidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.