Bongo foi o líder africano que esteve mais anos no cargo

Dois meses depois da morte da mulher, vítima de doença prolongada, o presidente do Gabão anunciava a 7 de Maio de 2009 que suspendia as funções de Chefe do Estado, alegando necessitar de um período de luto e descanso em Espanha. Era a primeira vez desde que assumira o poder, em 1967, que Omar Bongo - o líder africano há mais tempo no poder - tomava uma decisão deste género.

Com o anúncio, muitos recordaram os problemas de saúde do próprio presidente, de 73 anos, que tinha sido hospitalizado pelo menos duas vezes nos meses anteriores. Não tardou muito até os jornais descobrirem que Bongo estava hospitalizado em Barcelona, a submeter-se a um tratamento contra o cancro. Uma informação negada por Libreville.

Um mês depois do anúncio da suspensão de funções, correu a notícia de que Bongo tinha morrido, vítima de cancro intestinal. A 8 de Maio, um comunicado oficial do primeiro-ministro do Gabão, Jean Eyeghe Ndong, revelava que o presidente tinha morrido após sofrer um ataque cardíaco.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".