Bongo foi o líder africano que esteve mais anos no cargo

Dois meses depois da morte da mulher, vítima de doença prolongada, o presidente do Gabão anunciava a 7 de Maio de 2009 que suspendia as funções de Chefe do Estado, alegando necessitar de um período de luto e descanso em Espanha. Era a primeira vez desde que assumira o poder, em 1967, que Omar Bongo - o líder africano há mais tempo no poder - tomava uma decisão deste género.

Com o anúncio, muitos recordaram os problemas de saúde do próprio presidente, de 73 anos, que tinha sido hospitalizado pelo menos duas vezes nos meses anteriores. Não tardou muito até os jornais descobrirem que Bongo estava hospitalizado em Barcelona, a submeter-se a um tratamento contra o cancro. Uma informação negada por Libreville.

Um mês depois do anúncio da suspensão de funções, correu a notícia de que Bongo tinha morrido, vítima de cancro intestinal. A 8 de Maio, um comunicado oficial do primeiro-ministro do Gabão, Jean Eyeghe Ndong, revelava que o presidente tinha morrido após sofrer um ataque cardíaco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.