Blair diz que referendo sobre a UE trará "o caos ao Reino Unido"

Ex-primeiro-ministro considera que intenção de David Cameron é eleitoralista.

A promessa de realizar um referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia, feita pelo atual chefe do governo conservador David Cameron, só trará "caos" ao país e irá pôr em causa a sua posição de "grande potência". A declaração pertence a Tony Blair, primeiro-ministro trabalhista de 1997 a 2007, e foi feita ontem numa ação de campanha do seu partido, em que o antigo dirigente expressou publicamente o apoio ao atual, Ed Miliband, dizendo que está com ele a "100%".

Para Blair, a ideia de um referendo seria o equivalente a instituir o "caos económico" e a "imprevisibilidade", ignorando a "vontade das pessoas" e representando uma "tremenda distração" das questões mais importantes. O antigo primeiro-ministro falava na sua antiga circunscrição eleitoral, Sedgefield, no Nordeste de Inglaterra. Na ocasião, disse que se trata de um mero expediente político de Cameron para sossegar os eurocéticos nas fileiras dos conservadores e tentar neutralizar o discurso de Nigel Farage e do seu UKIP, que surge bem colocado nas sondagens. Farage defende um referendo sobre a UE já neste ano, enquanto Cameron sustenta que deve primeiro realizar-se um debate alargado sobre a questão antes de uma votação, a decorrer previsivelmente em 2016 ou 2017.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.