Bispos eritreus denunciam um país "desolado"

Quatro bispos católicos da Eritreia publicaram uma carta onde criticam o atual estado do país.

Embora não condenem diretamente o Governo eritreu - que ainda não comentou a carta -, a ação dos bispos é vista como bastante arriscada, num país que estes descrevem como "desolado", visto que tantos eritreus estão na prisão, no exército, ou emigraram.

O país "desolado" é descrito pelas organizações de direitos humanos como uma "prisão gigante", onde dezenas de prisioneiros políticos, muitos sem julgamento prévio, estão detidos em campos no deserto. A Amnistia Internacional dizia o ano passado que cerca de 10 mil eritreus foram presos por motivos políticos desde a independência do país, em 1993. Números negados pelo Governo, segundo a britânica BBC. As Nações Unidas (ONU) afirmam que pelo menos 3 mil de eritreus fogem para o Sudão e para a Etiópia todos os meses.

A carta dos bispos da Igreja Ortodoxa eritreia, Mengsteab Tesfamariam de Asmara, Tomas Osman de Barentu, Kidane Yeabio de Keren e Feqremariam Hagos de Segeneiti, tem o título "Onde está o teu irmão?", uma referência a Génesis 4:9, quando o Senhor pergunta a Caim pelo seu irmão Abel. Nela, os autores denunciam que hoje os eritreus rumam a "países em paz, países justos, de trabalho, onde nos podemos expressar livremente, onde se trabalha e recebe".

Os quatro bispos afirmam que "todos aqueles que foram presos devem ser tratados de forma humana e com compaixão e, de seguida, a partir das acusações contra eles, devem ser apresentados perante um tribunal". A carta foi publicada em maio, no vigésimo terceiro aniversário da Independência da Eritreia, mas só em junho foi publicada online.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.