Barão pede desculpa "pela dor" que causou com escândalo de sexo e drogas

John Sewel abandonou a Câmara dos Lordes por causa de um vídeo divulgado no jornal The Sun. Polícia já fez buscas em sua casa.

Depois de ter surgido neste domingo na primeira página do tabloide The Sun com a alcunha de "Lord Coke", John Sewel quebrou ontem o silêncio sobre o escândalo que o levou a demitir-se da Câmara dos Lordes. Num vídeo de 45 minutos, o barão aparece a inalar uma substância que tudo indica ser cocaína e na companhia de duas prostitutas.

Numa carta enviada à Câmara dos Lordes, onde estava desde 1996, John Sewel pede desculpa pela "dor e embaraço" que causou à própria instituição.

"A questão de se o meu comportamento viola o código de conduta é importante, mas essencialmente técnica", sublinha o barão, de 69 anos. "A grande questão é se o meu comportamento é compatível com ser membro da Câmara dos Lordes e se a minha permanência poderia danificar e comprometer a confiança do público na Câmara dos Lordes. Acredito que a resposta a estas duas perguntas significa que a melhor forma de servir a câmara é deixando-a." E acrescentou que espera que a sua demissão "limite e ajude a reparar os danos" que causou à sua "querida" Câmara dos Lordes.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.