"Arábia Saudita ficará feliz com queda de produção na Líbia e no Iraque"

Autoridade mundial em Direito dos contratos no setor petrolífero, Jacqueline Weaver está em Lisboa para um seminário. Ao DN, falou sobre a natureza da crise no setor e a segurança energética.

A OPEP continuará a ser determinante no mercado da energia?

Estão a acontecer desenvolvimentos tecnológicos na área do petróleo de xisto nos Estados Unidos, o que fez com que empresas não lucrativas com o barril a 50 dólares, agora possam sê-lo. Se a Arábia Saudita pensou que cada produtor nos EUA seria levado à falência com o barril a 70 dólares, e isso não sucedeu, e também não sucedeu com o barril a 60 dólares, isso diz muito... É verdade que alguns foram afetados com o barril a 50 dólares. Agora, se a instabilidade se intensificar na Líbia e no Iraque, se houver uma queda drástica de produção nestes países, o preço do barril irá subir, inevitavelmente. A Arábia Saudita ficará feliz. Todos ficarão felizes, exceto os consumidores.

A volatilidade dos mercados depende afinal de questões geoestratégicas e geopolíticas...

E será assim por mais 30 anos, pelo menos. O mundo vai permanecer dependente da energia fóssil em 75% para as suas necessidades, de certeza até 2040, pelo menos.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".