Alemanha recebe doente com ébola

Um membro de uma organização de ajuda humanitária contagiado com ébola chegou hoje à Alemanha, procedente de África, num avião-ambulância e sob um apertado protocolo de isolamento, para receber tratamento na clínica universitária de Frankfurt.

Depois do avião aterrar, o paciente foi transportado, de imediato, para o centro médico instalado numa viatura especial, sob escolta policial.

As autoridades locais não revelaram, até ao momento, a nacionalidade do paciente nem o país onde contraiu o vírus.

Trata-se do segundo paciente infetado com ébola a ser transportado para a Alemanha para receber tratamento, após o caso de um outro doente que, em agosto passado, deu entrada num hospital de Hamburgo.

A chegada do paciente à Alemanha surge numa altura em que se ultimam os preparativos para a partida para África de um primeiro contingente de mais de uma centena de voluntários do exército, entre militares e civis.

Este foi o primeiro grupo selecionado entre os mais de 2.000 que em dois dias responderam à chamada feita pelo Ministério da Defesa, que procurava pessoas disponíveis para partirem para África ajudar nos esforços de combate ao Ébola.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.