Al Qaeda confirma morte de Bin Laden e promete vingança

(Actualização) A Al Qaeda confirmou hoje que o seu líder foi de facto morto na operação montada por soldados americanos na madrugada de segunda-feira.

O anúncio foi confirmado pelo grupo de vigilância de sites islâmicos - SITE Intelligence -, com base num comunicado da rede terrorista difundido em vários blogues.

No mesmo comunicado, a Al Qaeda ameaça vingar a morte de Bin Laden e prosseguir com a Jihad, a guerra santa.

Até agora, a Al Qaeda não se tinha manifestado sobre a morte do seu líder, numa operação conduzida por militares americanos no Paquistão na madrugada da segunda-feira.

Num comunicado difundido hoje num sítio islamista da Internet, a rede terrorista confirmou a morte de Bin Laden, prometeu prosseguir a "jihad" (guerra santa) e avisou para atos de retaliação, referindo que "a alegria dos americanos em breve se tornará em tristeza".

A confirmação surgiu numa declaração colocada em sítios militantes e assinada pela "liderança geral" da Al-Qaida. O anúncio inicia a fase para nomeação de um sucessor de Bin Laden. O adjunto, Ayman al-Zawahri, é agora a figura mais proeminente do grupo e muito provavelmente será o sucessor de Usama bin Laden.

A declaração, com a data de terça-feira, foi a primeira da Al-Qaida após a morte de Bin Laden por um comando norte-americano durante um ataque em Abbottabad, no Paquistão.

A autenticidade do comunicado não foi confirmada, mas apareceu em "sites" onde o grupo coloca tradicionalmente as suas mensagens.

"Afirmamos que o sangue do Xeque guerreiro sagrado, Osama Bin Laden, Alá o abençoe, é precioso para nós e para todos os muçulmanos e não foi derramado em vão", de acordo com a declaração.

"Vamos continuar, com a vontade de Alá, a perseguir os americanos e seus agentes, no interior e no exterior dos seus países", acrescentou.

No texto, a Al-Qaeda também apelou ao povo do Paquistão - "onde o Xeque Usama foi morto" - para se revoltar contra os líderes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.