A primeira general da Bolívia é filha do militar que capturou Che

O objetivo de Gina Reque Terán ao seguir as pisadas do pai, que liderou a operação contra o guerrilheiro argentino em 1967, era conquistar o mais alto cargo nas Forças Armadas

Gina Reque Terán tinha apenas cinco anos quando, em outubro de 1967, os homens liderados pelo pai, o comandante Luis Reque Terán, capturaram (e depois executaram) o guerrilheiro cubano-argentino Ernesto Che Guevara. Um feito que catapultou a carreira do pai, que chegou a general. A mesma patente que Gina conquistou agora, tornando-se a primeira mulher general nas Forças Armadas da Bolívia.

"Ser general era o meu objetivo ao entrar na carreira militar. Queria chegar ao mais alto cargo dentro da instituição e hoje alcancei-o", afirmou Terán, citada pelo jornal boliviano La Razón. A militar recebeu os símbolos do novo cargo, no Quartel de Miraflores, em La Paz, numa cerimónia na véspera do Dia da Mulher. "A todas as mulheres digo que penso que temos de continuar a trabalhar e a dedicar-nos à nossa profissão a 100%", afirmou, destacando que foi por mérito e honestidade que foi promovida.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".