A mão na nuca de Rodrigo Rato: protocolo habitual, garante polícia

Analistas viram no gesto do agente um sinal da caída em desgraça daquele que foi um dos homens mais poderosos de Espanha

A imagem de Rodrigo Rato a entrar dentro do carro da polícia com a mão do agente da nuca foi capa de quase todos os jornais espanhóis da passada sexta-feira. Um gesto no qual muitos comentadores e analistas viram a caída em desgraça do ex-diretor do Fundo Monetário Internacional, antigo número dois do governo de José Maria Aznar e ex-presidente do Bankia. Mas que a polícia garantiu fazer parte do protocolo habitual nestas situações.

Fontes da polícia explicaram à imprensa que o objetivo era "evitar que [Rodrigo Rato] batesse com a cabeça" no carro no momento em que foi detido por suspeitas de fraude fiscal, ocultação de bens e lavagem de dinheiro.

Que um agente coloque a mão na nuca de um suspeito quando este está a entrar no carro no momento da detenção é uma imagem comum. Mesmo se geralmente o detido está algemado e, portanto, com mobilidade reduzida. Não era o caso do ex-diretor do FMI. Fontes da polícia explicaram ao Público.es que "independentemente de os detidos estarem ou não algemados, é o protocolo habitual". Tudo porque "em algumas ocasiões [os suspeitos] bateram com a cabeça e mais tarde disseram diante do juiz terem sido agredidos".

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.