A agenda liberal de Obama. Não passará, mas marca corrida a 2016

No penúltimo discurso do Estado da União, Presidente anunciou o fim da crise financeira, reivindicou os sucessos da economia americana e defendeu a recente aproximação a Cuba

Aumentar os impostos aos mais ricos, subir o salário mínimo, tornar os infantários mais acessíveis, dar mais tempo de licença de maternidade e de baixa por doença, equiparar os salários das mulheres aos dos homens, encerrar Guantánamo e reforçar a cibersegurança. Estas foram as principais propostas de uma espécie de agenda liberal apresentada por Barack Obama no discurso do Estado da União, terça-feira à noite (madrugada de ontem em Lisboa), diante do Senado e Câmara dos Representantes. E se todos parecem de acordo que nos dois anos até ao fim do mandato, a larga maioria das propostas do Presidente não será aplicada - o domínio republicano no Congresso encarregar-se-á de as travar -, a verdade é que irão marcar o seu legado.

Afinal, esta "viragem à esquerda", como a descreveu o Financial Times, de Obama tem um efeito imediato: colocar o aumento de impostos para os mais ricos e a aposta na classe média na campanha para as eleições de 2016, que irão definir o seu sucessor. E se poucos acreditam que os republicanos assinem qualquer lei que prejudique os milionários, as grandes empresas, a banca ou Wall Street, os candidatos à nomeação do partido ficam pressionados a apresentar as suas próprias propostas em termos de impostos.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.