24 mortos em naufrágio ao largo de Zanzibar

Pelo menos 24 pessoas, incluindo dois europeus, morreram hoje no naufrágio de um ferry que transportava mais de 250 passageiros entre Dar es Salaam et Zanzibar, anunciou aos jornalistas o ministro dos Transportes deste arquipélago semiautónomo da Tanzânia.

Antes, um socorrista tinha afirmado à agência noticiosa francesa AFP que 149 sobreviventes foram retirados com vida das águas ao largo da costa da principal ilha do arquipélago, Unguja.

O ministro do Interior da Tanzânia, Emmanuel Nchimbi, disse à televisão pública que 124 pessoas tinham sido salvas após o naufrágio.

"As operações de salvamento prosseguem (...) 124 pessoas foram salvas e esperamos que outras possam ser retiradas da água com vida", declarou.

Uma fonte da vice-presidência tanzaniana, adiantou que o navio, que também transportava carga, tinha registo de 251 adultos, três dezenas de crianças e seis tripulantes.

No entanto, este tipo de embarcações viaja muitas vezes com excesso de passageiros e parte destes não estão registados.

Segundo imagens da televisão, centenas de pessoas, sobretudo mulheres a chorar por não terem notícia de familiares e amigos que viajavam no ferry, concentraram-se nas praias de Dar es Salaam, capital económica da Tanzânia, de onde tinha partido a embarcação com destino ao arquipélago de Zanzibar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.