163 mortos e 100 desaparecidos em naufrágio de ferry

[EM ACTUALIZAÇÃO] Pelo menos 163 pessoas morreram e mais de 100 estão desaparecidas na sequência do naufrágio de um "ferry" que ligava as duas principais ilhas de Zanzibar, informou um ministro desta república semi-autónomo da Tanzânia.

"Encontrámos 163 pessoas mortas e salvámos 325", disse à agência France Presse o ministro para Situações de Emergência de Zanzibar, Mohammed Aboud. Mais de 100 pessoas continuam desaparecidas, naquele que já é considerado um dos mais mortíferos naufrágios ocorridos em África na última década.

Segundo as autoridades, o barco transportava cerca de 600 pessoas entre Unguja e Pemba, as duas principais ilhas de Zanzibar, um arquipélago no Oceano Índico dependente da Tanzânia. De acordo com um jornalista da AFP no local, ainda não tinha sido identificado nenhum estrangeiro entre os mortos e os sobreviventes.

Além das pessoas, o barco transportava também uma enorme quantidade de arroz e outros bens, referiu ainda o ministro. As circunstâncias do acidente ainda estão por apurar, mas de acordo com o secretário de Estado adjunto para a Infra-estrutura e Comunicação, Gavu Issa, a balsa estava aparentemente "sobrecarregada". Zanzibar, cuja capital é património da UNESCO, vive essencialmente das receitas do turismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".