163 mortos e 100 desaparecidos em naufrágio de ferry

[EM ACTUALIZAÇÃO] Pelo menos 163 pessoas morreram e mais de 100 estão desaparecidas na sequência do naufrágio de um "ferry" que ligava as duas principais ilhas de Zanzibar, informou um ministro desta república semi-autónomo da Tanzânia.

"Encontrámos 163 pessoas mortas e salvámos 325", disse à agência France Presse o ministro para Situações de Emergência de Zanzibar, Mohammed Aboud. Mais de 100 pessoas continuam desaparecidas, naquele que já é considerado um dos mais mortíferos naufrágios ocorridos em África na última década.

Segundo as autoridades, o barco transportava cerca de 600 pessoas entre Unguja e Pemba, as duas principais ilhas de Zanzibar, um arquipélago no Oceano Índico dependente da Tanzânia. De acordo com um jornalista da AFP no local, ainda não tinha sido identificado nenhum estrangeiro entre os mortos e os sobreviventes.

Além das pessoas, o barco transportava também uma enorme quantidade de arroz e outros bens, referiu ainda o ministro. As circunstâncias do acidente ainda estão por apurar, mas de acordo com o secretário de Estado adjunto para a Infra-estrutura e Comunicação, Gavu Issa, a balsa estava aparentemente "sobrecarregada". Zanzibar, cuja capital é património da UNESCO, vive essencialmente das receitas do turismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.