Foi atacado por um urso polar quando tentava ver o eclipse

Os turistas que ficaram em Svalbard foram alertados para o perigo de ursos polares e das baixas temperaturas, que desceram aos 18 graus negativos.

Um turista checo ficou ligeiramente ferido após ser atacado por um urso polar, quando acampava na ilha ártica de Svalbard para tentar ver o eclipse solar total. A vista privilegiada do eclipse na ilha norueguesa atraiu milhares de turistas. O urso polar foi morto pelas equipas de salvamento.

Jakub Moravec, que acampava com cinco outros turistas, foi levado de helicóptero para a principal cidade de Svalbard, Longyearbyen, onde foi internado no hospital com ferimentos no braço, peito e cara.

"Estou feliz, estou bem", disse Moravec, de 37 anos, à televisão pública norueguesa NRK da sua cama de hospital, acrescentando que acordou e encontrou o urso na sua tenda. Lutou para o afastar até um colega o ter afugentado com tiros. O urso, que tinha atravessado uma barreira erguida pelos turistas ao redor do seu acampamento, foi morto pelas equipas de salvamento que chegaram para tratar Moravec.

Veja as declarações de Moravec à televisão norueguesa NRK

Moravec disse que só se assustou mais tarde - no momento do ataque, só pensava em "salvar a cabeça". Contou à televisão norueguesa que esperava sair do hospital a tempo de ainda ver o eclipse da manhã de sexta-feira.

As ilhas norueguesas de Svalbard, a cerca de 1300 quilómetros do Pólo Norte, e as ilhas Faroé, mais a sul, são os únicos lugares habitados de onde foi possível ver um eclipse solar total. O governo local avisara os turistas do risco causado pelos ursos polares e pelas temperaturas geladas, que poderiam descer até aos 18 graus negativos.

Apesar disso, o arquipélago esperava cerca de dois mil visitantes, além dos seus 2500 residentes fixos. Há vários anos que todos os quartos de hotel de Longyearbyen estavam reservados para a noite de 19 para 20 de março, sendo que muitas casas de particulares também alugaram quartos a turistas.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.