Ferry italiano tinha porta corta-fogo defeituosa e ia superlotado

Inspeção apontou problemas, que terão sido solucionados. A bordo seguiam 222 veículos, mas capacidade seria de apenas 195.

A última inspeção ao ferry italiano Norman Atlantic, que se incendiou na madrugada de domingo e ficou à deriva no mar Adriático, foi feita há 11 dias na Grécia e apontava para a existência de avarias numa porta corta-fogo.

O proprietário do navio, Carlo Visentini, disse ao Corriere della Sera que os defeitos foram "imediatamente reparados", pelo que este teve luz verde dos inspetores para continuar a navegar.

Cerca de 36 horas depois do alerta de incêndio, foram dadas por terminadas as operações de resgate das 478 pessoas que estariam a bordo. Há pelo menos dez mortos.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG