Ex-vice-primeiro-ministro espanhol detido por fraude e branqueamento de capitais

Rodrigo Rato foi o n.º 2 do governo de José Maria Aznar entre 1996 e 2004 e depois foi diretor-geral do FMI. Foi detido hoje, três horas depois de buscas à sua casa.

As autoridades espanholas fizeram hoje uma busca à casa do antigo vice-primeiro-ministro espanhol Rodrigo Rato. Ao fim de três horas, deixou a sua casa em Madrid escoltado pela polícia para prestar depoimento, tendo acabado detido, acusado de fraude, branqueamento de capitais e ocultação de bens.

Rodrigo Rato foi vice-primeiro-ministro José Maria Aznar entre 1996 e 2004. Depois, até 2007, foi diretor-geral do FMI, cargo em que foi substituído por Dominique Strauss-Khan.

À saída de sua casa, Rodrigo rato não estava algemado, mas acompanhado de vários agentes. Um deles ajudou-o a entrar no carro, colocando-lhe a mão na nuca.

Os agentes que efetuaram a busca na casa de Rato, no bairro de Salamanca, na capital espanhola, saíram com, pelo menos, quatro caixas com documentos.

Segundo um comunicado da procuradoria espanhola, a investigação envolve outras pessoas. As buscas terão ocorrido na sequência de uma denúncia.

Exclusivos