Vocalista condenado a 35 anos por tentar violar bebé

O vocalista da banda britânica Lostprophets, Ian Watkins, foi hoje condenado a 35 anos de prisão por tentativa de violação de um bebé e múltiplas agressões sexuais sobre menores.

De 36 anos, Watkins, que se deu como culpado de 13 acusações, "atingiu novos patamares de perversidade", declarou o juiz Royce do tribunal de Cardiff.

Duas fãs de Watkins, que deram os seus próprios filhos ao cantor, foram condenadas a 17 e 14 anos de prisão.

Watkins tentou ainda violar um bebé de 11 meses na presença da mãe. O cantor encorajou, via webcam, uma outra das suas fãs a abusar do seu próprio filho.

O vocalista dos Lostprophets decidiu no último momento dar-se como culpado, poupando o júri a assistir ao que ele chamou de excertos de vídeos "muitos explícitos e penosos" de se ver.

Ele reconheceu ainda ter planeado novos abusos com as duas mães, ter feito e ter em sua posse pornografia infantil e zoofilia.

A polícia continua a investigar na Alemanha e nos Estados Unidos para verificar se o vocalista dos Lostprophets, um grupo galês de rock alternativo que vendeu milhões de álbuns, cometeu atos semelhantes naqueles países.

"Aqueles que vêm aos tribunais durante muitos anos vêem aqui um grande número de casos horríveis", afirmou o juiz. "Este caso é pioneiro. Qualquer pessoa decente sentirá estupor, repulsa e incompreensão", acrescentou o magistrado.

"Você falou do seu desejo de chocar e ultrapassar os limites da sexualidade. Este desejo foi agravado pelo seu consumo de cocaína e anfetaminas, que reforçaram as agressões sexuais", sublinhou o juiz, recusando quaisquer circunstâncias atenuantes.

Dirigindo-se a uma das mães condenadas, o juiz disse: "O que vocês fez é ao mesmo tempo repugnante e incompreensível". À segunda, referiu: "o seu filho, não o considerou como um ser humano".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG