Reino Unido condenado por discriminação religiosa

O Reino Unido foi condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Tudo aconteceu devido a Naida Eweida ter sido despedida por usar um crucifixo no seu local de trabalho, a companhia aérea British Airway.

O Reino Unido foi condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH), em Estrasburgo, por a British Airways ter proibido uma funcionária de usar um crucifixo no local de trabalho.

A assistente de bordo Naida Eweida, que exercia a sua profissão na British Airways desde 1999, afirma que o que aconteceu foi uma violação da liberdade de religião.

De acordo com o código do uniforme, a funcionária deveria vestir-se com uma camisa de colarinho e uma gravata, sem qualquer joia visível.

Quando em 2006, a mulher de origem egípcia decidiu usar um crucifixo ao pescoço, foi imediatamente despedida.

Só em Fevereiro de 2007 é que Naida Eweida voltou a trabalhar para a British Airways, quando a empresa concordou com o uso de símbolos religiosos visíveis, como a Estrela de David.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG