Proibição de touradas provoca reacções entre aficionados e defensores dos direitos dos animais

Os aficionados tauromáquicos internacionais defenderam hoje que a proibição das touradas na Catalunha é um gesto "político" que atenta contra a liberdade cultural, enquanto os defensores dos direitos dos animais afirmam que a decisão honra a actual civilização.

O parlamento da Catalunha proibiu hoje as corridas de touros naquela região nordeste de Espanha a partir de 01 de Janeiro de 2012.

Com 68 votos a favor, 55 contra e nove abstenções, o parlamento catalão aprovou a iniciativa legislativa popular, proposta por 180 000 cidadãos, que pediam a proibição das touradas, considerada uma das marcas culturais de Espanha.

Num comunicado hoje divulgado, o Observatório Nacional das Culturas Tauromáquicas, em França, afirmou estar confiante que o Tribunal Constitucional espanhol irá invalidar o voto parlamentar.

O organismo assegurou também que a proibição das corridas de touros é um "gesto simbólico" do "catalanismo" com vista às próximas eleições autónomas, previstas para este ano.

"Trata-se de um voto político que acontece num contexto eleitoral tenso", referiu.

Por seu lado, a maior associação protectora de animais da Alemanha e da Europa, a Deutscher Tierschutzbund, afirmou estar "muito feliz" com a decisão do parlamento catalão, esperando que a regra seja "ampliada a outras regiões de Espanha no futuro".

Em declarações à EFE, o representante da associação, Marius Tuenti, destacou que "esta decisão vai evitar que muitos turistas viajem para Espanha para ver este espectáculo de sofrimento".

"As corridas de touros são um evento minoritário entre os espanhóis, mas nos últimos anos transformaram-se num elemento mais atractivo para os turistas", adiantou o representante da associação, que conta com 800 mil membros em toda a Europa.

Em França, a deputada do partido no poder, UMP, Muriel Marland-Militello, redactora de um projecto de lei para impedir as touradas em França, também aplaudiu a decisão do parlamento catalão.

"Nunca estivemos tão perto de erradicar esta barbárie permitida, ainda, em alguns países como é o caso de França", declarou a deputada, defendendo que a proibição aprovada em Barcelona "deve inspirar o parlamento francês".

A Catalunha é a segunda região espanhola a proibir as festas de touros. Em 1991, a região das ilhas Canárias foi a primeira onde as corridas de touros foram proibidas, na sequência de uma lei regional de protecção de animais.

A votação de hoje durante uma sessão histórica no parlamento regional da Catalunha, formado por 135 deputados, pôs fim a um processo que deu os primeiros passos parlamentares em Novembro de 2008.

A supressão das corridas de touros na Catalunha só vai atingir a praça de Touros Monumental de Barcelona.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG