Pedófilo indultado em Marrocos fica em prisão preventiva

(Atualizada) O pedófilo espanhol, indultado por engano pelo Rei de Marrocos e posteriormente detido em Espanha, compareceu no tribunal da Audiência Nacional. O juiz decidiu que ficará em prisão preventiva até haver decisão sobre a sua eventual extradição.

Daniel Galvan, de 63 anos, condenado em 2011, em Marrocos, a 30 anos de prisão por violação de 11 menores, foi detido na segunda-feira num hotel de Múrcia, no sudeste de Espanha, na sequência do mandado de prisão internacional, emitido no mesmo dia pelas autoridades marroquinas.

O juiz Fernando Andreu, da Audiência Nacional, invocou o "risco de fuga" para manter Galvan em prisão preventiva.

Rabat exige a extradição de Daniel Galvan, indultado na passada semana, aparentemente por engano. A medida, anunciada pelo rei Mohammmed VI, desencadeou uma onda de indignação no país, o que levou o rei a anular o perdão, no domingo.

O nome de Daniel Galvan constava de uma lista de 30 reclusos espanhóis que Madrid pediu para serem transferidos para Espanha para cumprirem a pena, de acordo com uma fonte espanhola, citada pela agência noticiosa francesa AFP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG