Novo cardeal brasileiro critica "eurocentrismo" do Vaticano

A igreja católica é demasiado eurocêntrica e a Europa "não deve olhar de cima" para os outros continentes, disse hoje o novo cardeal brasileiro, João Braz de Avis.

"A Europa devia voltar a mostrar uma atitude mais fraterna, e deixar de olhar de cima para os outros continentes", disse Braz de Avis numa entrevista à agência I.Media, citada pela Associated Press.

Braz de Avis foi hoje elevado a cardeal pelo papa Bento XVI num consistório (reunião entre o papa e os cardeais) no Vaticano.

Neste consistório, Bento XVI criou 22 cardeais: 16 europeus (entre os quais o português Manuel Monteiro de Castro), dois asiáticos, três norte-americanos e apenas um latino-americano. A América Latina é a região do mundo onde vivem mais católicos.

Braz de Avis lamentou o "eurocentrismo" da igreja.

"Do ponto de visto económico ou político mas também dentro da igreja, por quanto tempo é que seremos liderados pela Europa e pelos Estados Unidos?", questionou cardeal brasileiro.

"Já não se pode pensar que a América Latina, a Ásia ou a África continuam como antes, que ainda são colónias ou terceiro mundo", insistiu.

Braz de Aviz considera que tornar mais universal o colégio dos cardeais irá ajudar a igreja católica a ser "mais representativa": "Já tomámos muitos passos nesse sentido, mas devemos continuar".

Há 125 cardeais com menos de 80 anos, e que portanto têm a capacidade de eleger um novo papa em conclave. Destes, mais de metade (67) são europeus. E, dos europeus, 30 são italianos.

Os europeus, e particularmente os italianos, têm grande preponderância na hierarquia da igreja católica. O atual papa, de 84 anos, é alemão; o seu antecessor, João Paulo II, era polaco; todos os outros papas do século XX foram italianos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG