Novato Miro Cerar ganha legislativas na Eslovénia

Advogado e sem experiência na política, Miro Cerar, do novo partido centrista SMC venceu hoje as eleições legislativas eslovacas. O principal partido da oposição esloveno, o conservador Partido Democrata Esloveno, considera as eleições ilegítimas.

"As eleições não foram respeitadas, por isso, o seu resultado não é legítimo. Nesse sentido, o governo que se forme também não é legítimo", declarou o vice-presidente do Partido Democrata Esloveno (SDS).

As declarações de Zvonko Cernac surgem depois de conhecidas as primeiras projeções, após o fecho das urnas, e que dão o seu partido em segundo lugar.

A denúncia do SDS está relacionada com o facto do líder do partido, e antigo primeiro-ministro, Janez Jansa, ter sido detido antes do começo da campanha por causa de um caso de corrupção.

Jansa cumpre, desde 20 de junho, uma pena de dois anos de prisão por um caso de corrupção na compra de veículos blindados da companhia finlandesa "Patria" em 2006, quando era primeiro-ministro.

O político insiste na sua inocência e já recorreu da sentencia para o Supremo Tribunal, que, no entanto, ainda não se pronunciou.

As eleições foram ganhas pelo novo partido centristas, SMC, fundado pelo professor de direito Miro Cerar, que Jansa criticou durante a campanha, tal como aos restantes líderes de centro-esquerda, acusando-os de serem marionetas das antigas forças comunistas e de terem orquestrado uma cabala judicial contra ele.

O vencedor considerou hoje que este é um bom resultado. "Mostra que as pessoas escolheram um compromisso com uma cultura política diferente que não divide", afirmou Miro Cerar, especialista em direito constitucional, que fez uma campanha focado no regresso à moralidade na política.

Zvonko Cernac anunciou que os deputados do SDS eleitos hoje, 19 num total de 90, segundo as projeções, não aceitarão ter funções no novo parlamento.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG