Nicola Sturgeon eleita líder do Partido Nacionalista Escocês

Nicola Sturgeon foi hoje eleita líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP na sigla em inglês), na sequência da demissão de Alex Salmond após a derrota dos independentistas no referendo realizado em setembro na Escócia.

Alex Salmond anunciou o afastamento logo após a divulgação do resultado do referendo em que 55 por cento dos eleitores votaram contra a independência do Reino Unido, defendida pelo partido soberanista.

Nicola Sturgeon, 44 anos, apresentou a única candidatura à liderança ao congresso anual que se realiza hoje em Perth, Escócia, tornando-se na primeira mulher a ocupar o cargo de chefe do executivo escocês.

Sturgeon disse que o desempenho do cargo é um "privilégio".

Salmond liderou o SNP durante quase 20 anos, tendo ocupado o cargo de chefe do executivo (first minister) da Escócia durante os últimos sete anos, transformando o partido nacionalista - que começou por ser uma organização política sem expressão - numa força de primeiro plano.

Apesar de a Escócia continuar a fazer parte do Reino Unido, os resultados do referendo (45 por cento dos eleitores votaram a favor da independência) obrigaram o Governo britânico a prometer novos poderes ao executivo de Edimburgo.

As propostas devem ser conhecidas no final do mês e devem entrar em vigor no início de 2015.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.