Nádia, das Pussy Riot, transferida para prisão na Sibéria

Nadezhda Tolokónnikova, uma das jovens do grupo punk russo Pussy Riot condenada a dois anos de prisão, vai ser transferida para uma prisão na Sibéria, revelou hoje o marido, Piotr Verzílov.

"Recebemos a informação de que Nadezhda está a ser transferida para a prisão IK-50", na região de Krasnoyarsk, a 4.400 quilómetros de Moscovo, afirmou.

Nadzehda Tolokónnikova, 23 anos, conhecida como Nádia, estava detida numa prisão da Mordóvia, depois de ter sido condenada no ano passado, juntamente com duas outras mulheres do grupo Pussy Riot, por "vandalismo" e "incitamento ao ódio religioso".

Em outubro, numa carta aberta, Nádia denunciou ter sofrido abusos, maus tratos e tortura na prisão na Mordóvia e iniciou uma greve de fome.

De acordo com a agência noticiosa russa, o Procurador russo, Vladímir Lukin, confirmou o processo de transferência para uma nova prisão, enquanto os serviços prisionais de Krasnoyarsk asseguraram que Nádia já não se encontrava em nenhum dos estabelecimentos para mulheres existentes na região.

Tolokónnikova, María Aliójina e Yekaterina Samutsévich, as três elementos das Pussy Riot, foram condenadas a dois anos de prisão depois de terem entrado encapuzadas, em fevereiro de 2012, na catedral ortodoxa do Cristo Redentor, em Moscovo, onde uma canção de protesto contra o Presidente russo, Vladimir Putin.

Yekaterina Samutsévich está em liberdade condicional deste outubro de 2012.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG